terça-feira, outubro 09, 2007

Resta-me o silêncio


Resta-me o silêncio atroz,
Que me mata, dilacera, atrofia.
Não mais ouvirei a tua voz,
Acabou a minha poesia.


Ficaram as memórias, recordações
Antes recheadas de esperança.
Dos nossos apaixonados corações
Ficou apenas a triste lembrança.

Resta-me o silêncio, cruel amigo,
A quem entrego de vez o coração
Parco em palavras e alegria.

Não esqueço que fui feliz contigo
Mas não passaste de uma ilusão,
Doce quimera, triste utopia.

Vera Silva
Enviar um comentário