quarta-feira, julho 25, 2007

Inquieta


Deixas-me assim inquieta,
À beira da loucura...
Ora me amas, ora me odeias,

E isso dá-te um prazer sádico

De homem-poeta,

Que toca ternura
Nessa música em que me enleias
No teu amor tão mágico.


Nesta paixão desmedida
Que fico enredada,
Sonho com tua voz
E ouço-a até a dormir.

E, já arrependida
De não estar embrulhada
Nessas tuas palavras que nós

Queremos em conjunto mentir


Dizendo ao mesmo tempo:
"Amo-te"
Enviar um comentário