segunda-feira, dezembro 08, 2008

Vestida de morte


Visto a negra capa da morte

E preparo o túmulo

Onde depositarás rosas

Vermelhas,

Como os lábios

Que nunca quiseste beijar.


Pertenço-te,

Sem que me queiras,

Como doença maldita

Que desprezas

E afastas,

E mesmo assim

Me sinto apenas tua,

Enferma que sou.


Abro as mãos

A novos amores

E esgueiro-me pela porta

Antes do toque inicial,

Como se te traísse,

Como se também tu fosses meu.


Visto a capa negra da morte

E preparo o túmulo

Onde me deito,

Porque já nada mais me importa…
Vera Sousa Silva
Enviar um comentário