domingo, dezembro 28, 2008

Poema Despido


Dominas-me voraz

Sem que entenda o sentido

Dos versos que trazes

Na boca que beija

Em carícias longas

O brilho do sol.


Sou apêndice sôfrego

De um poema.


Pacifico-me na tua voz

Que embala o desejo

De ser letra do teu corpo,

E rasgo a folha imerecida

Que te sustém,

Com a fúria decomposta

Da improbabilidade

De te possuir.


Contempla-me

Na prateleira exposta

No extremo do segmento.


Sou matéria invisível

Dos teus propósitos.


Vera Sousa Silva
Enviar um comentário