sexta-feira, maio 15, 2009

Há a Palavra


Há a palavra
Embutida no vazio,
Castrada do sentido
E mergulhada
Na cegueira.

Há o gesto simples
De ternura
Na fé oca e dura,
Pérfida na dualidade
Dos jogadores.

Há o engano
E a artificialidade
No lirismo insonoro
Na composição
Intrigada de reticências.

Há as bocas abertas
De espanto,
A consternação aflita
E o prurido que morde
A face, no esconderijo.

E há a Palavra
Viva e capaz,
O verso perfeito
Que espera em silêncio
A sua hora…

Vera Sousa Silva
Enviar um comentário