sexta-feira, agosto 26, 2011

Meu rio, meu amor




És rio que corre plácido
prodígio maior dos meus dias
incenso do meu corpo sedento.

Uno-me à tua sombra
buscando o oceano que t'espera
em caminho paciente, indelével...

Inquietam-me as trevas
nas palavras silenciosas
que só teu olhar pronuncia
e em teu leito aguardo
que nenúfares s'afoguem,
lívida, desamparada...

O medo é encosta íngreme
que subo em teu corpo.

Hoje beijo a saliva
do teu curso
e sei-te inteiro,
sei-te amor.

Vera Sousa Silva

Enviar um comentário