terça-feira, dezembro 19, 2006

Saudades


Dói demais este vil sentimento
Que carrego há anos no meu peito,
Transformado já em desalento,
Que não há forma de sair do meu leito.

Nestas noites de Inverno, geladas,
É apenas ele que me acompanha.
Não me aquece, mas corta-me, sem espadas,
E bebe do meu sangue que se embrenha.

Saudades! Sim, são elas que me matam!
Magoam, dilaceram, sufocam sem perdão…
Tento viver, mas elas não desatam
Este nó cego que deram no meu coração.
Enviar um comentário