quinta-feira, novembro 27, 2008

Poema Efémero


Tecer-te em rios de palavras

Cálidas, sagazes,

Deslizando ao som

Das pedras luzidias

Dos meus pensamentos,

E entregar-te em mãos

A água dos meus olhos,

É o que me resta hoje,

No remate da presença física

Deste corpo pútrido.


Cerra-se o ciclo

E cala-se a voz,

No derradeiro poema

Disforme.


Todo o verso é doloroso

E assassino,

Desferindo o golpe fatal

E silencioso,

Sem que me aperceba,

Sem que reclame…


Vera Sousa Silva
Enviar um comentário