sábado, março 22, 2008

Verso Ausente


Nas saliências dos segredos

Ouvem-se os brados longínquos

Das vozes passadas

Que nos restam na memória

E nos marcam o espírito.

Profusas palavras

Ecoam pelos sentidos

Vazando a razão

E preenchendo o sonho,

E, num verso ausente,

Entregamo-nos unos,

Inquietos, perfeitos...

Silenciamos o compasso

Do coração perene,

E nada nos resta,

Para além da vida e do amor.

Vera Silva

Enviar um comentário