domingo, março 22, 2009

Perco-me


Há um deserto esquivo

Nos passos incertos que dou
Nesta estrada esburacada
Em que me tomas os sentidos.
Tropeço em palavras
E arrebato-me, já impávida e audaz,
Ao gosto do teu corpo
Que me atraiçoa a prudência.

Se digo que te quero, perco-me…
Se sussurro que te amo, perco-te…

Há vagas profundas que me assolam
A alma, invadida de ti
Num rompante instantâneo,
Provocando-me a cegueira
Da consciência já perdida…

Movo-me em quimeras
Alucinada pela tua voz,
E tu…

Tu?

Sou cortina de luz transparente,
Indivisível, estranha,
Que a tua cegueira não vê.

E perco-me por te amar…

Vera Sousa Silva
Enviar um comentário