terça-feira, março 31, 2009

Liberdade


Sonho com o mar sem fim

Colado à imensidão do céu

e com nuvens que correm tão depressa

beijando as estrelas, de mansinho,

como o luar que brilha no horizonte.


Voo nas asas do sonho

rasando ondas que rebentam

em fúria de tempestade

sinto o sabor do mar

que se dissolve na minha boca.


Imagino-me no topo do mundo

e abro os braços à vida

olho pra baixo e quero

alcançar a eternidade

e saber o meu destino pra sempre.


Neste bosque sombrio

em que me perco e procuro

sou labirinto enraizado

fauno esquecido, musgo esmagado

alma de sol escondido.


Estas dunas que piso

secas, castelos de areia e eu

escondem oceanos de chuva

cadências do meu sentir

lágrimas há muito caídas.


Para esta estrada silenciosa

que percorro lentamente

ávido de esperança e coragem

sou barco encalhado na vida,

que nunca chegará a bom porto...


Vera Sousa Silva & Jorge Costa e Sousa

Enviar um comentário